Archive for the ‘Padre Zezinho’ Category

Mensagem – Oceanos são feitos de gotas d’água – Pe. Zezinho, scj

julho 17, 2008

Oceanos são feitos de gotas d’água

Para ser ouvido, fale.

Para ser compreendido,

exponha claramente as suas idéias

sem jamais abrir mão

daquelas que julga fundamentais

apenas para que os outros o aceitem.

Acima de tudo,

busque o prazer antes do sucesso,

a auto-realização antes do dinheiro,

fazer bem feito  antes de pensar

em obter qualquer recompensa.

Nenhum reconhecimento externo

vai substituir a alegria

de poder ser você mesmo: (more…)

Mensagem – DOGMA, ASSUNTO DEFINIDO – Pe. Zezinho, scj

julho 15, 2008

DOGMA, ASSUNTO DEFINIDO

Outro exemplo da importância dos dogmas e do porquê de a Igreja não abrir mão de certas verdades foi a heresia do Nestorianismo, de Nestório, condenado no Concílio de Éfeso em 431 e o de Calcedonia em 451.

Algumas igrejas do Oriente ainda o seguem.

Teodoro de Mopsuestia e Nestório, seu aluno, foram os maiores expoentes dessa heresia.

Eram teólogos famosos. Nestório, primeiro, foi monge e depois tornou-se Patriarca de Constantinopla, a segunda sede mais importante da Igreja que, no seu tempo, disputava e rivalizava com Roma, em tudo.

Combateu fortemente todo o tipo de heresia, mas caiu em outra, pela qual foi deposto pelo imperador Teodósio e acabou seus dias exilado no Egito onde morreu monge, mas deposto como bispo.

Atribui-se a ele a culpa de haver defendido ou ensinado que Maria foi apenas TEODOKOS, mas não foi TEOTOKOS.

Você pode rir da sutileza, mas em grego isso significava nada mais nada menos que “Maria não deve ser vista como mãe de Deus e sim como um tipo de governanta que deu à luz ao Cristo homem e não ao Cristo Deus”.

Negando à Maria a maternidade divina, estariam afirmando que Jesus não era uma, mas duas pessoas.

O cristianismo sustenta que Jesus era uma pessoa no qual havia duas naturezas: era divino e era humano.

Ele sustentava que havia duas pessoas em Jesus unidas por um ligação moral.

Proclamado o dogma acabou a discussão.

A Igreja não aceita mais voltar ao assunto.

Para ela é dogma: assunto definido.

Pe. Zezinho, scj

Mensagem – EXCESSO DE FÉ – Pe. Zezinho, scj

julho 14, 2008

EXCESSO DE FÉ

Existe remédio em excesso e remédio em excesso faz mal.

Há que ser na dose certa para fazer bem.

Fé é como remédio. Pode curar ou piorar.

Acreditar demais e em tudo sem examinar cuidadosamente,

como pede São Paulo em sua carta, é ingenuidade.

Quem aposta que Deus vai fazer determinada coisa e garante isso aos outros,

em nome de alguma frase dos evangelhos que não entendeu direito, tem fé demais.

A frase pode estar lá,

mas o pregador pode

não Ter entendido.

O diabo também citou

frases da Bíblia para

Jesus, mas Jesus

soube responder.

Não engula frases

isoladas da Bíblia.

Que sua

Fé seja

inteligente.

Pe. Zezinho, scj

Mensagem – NÃO BASTA APAIXONAR-SE – Pe. Zezinho, scj

julho 12, 2008

NÃO BASTA APAIXONAR-SE

“O que mais que ela quer? Ele quer demais!”

São duas frases que apontam para uma relação em perigo. Em algum lugar aprenderam de alguém uma noção errada de casamento. Amavam-se de paixão e por conseguinte, seu casamento daria certo. Os ajustes viriam com o tempo. Só esqueceram de aprender que entender-se é tão fundamental quanto desejar-se. Alguns programas de televisão andam passando ao povo a errônea noção de que ser bom de cama é o mesmo que ser bom parceiro. Mas casar-se é mais do que saber fazer sexo ou dizer palavras bonitas na hora do bem bom. Tem que saber fazer bem as outras coisas do casamento para construir uma família feliz. Tem que ser capaz de não perder o respeito quando alguém discorda. Tem que saber brigar sem levantar a voz. Tem que saber ficar quieto na hora certa para não piorar a relação. Tem que saber perdoar logo. Tem que controlar o ciúme burro, abestalhado e doentio que martiriza qualquer pessoa. Tem que aprender a não dominar porque não casou com um bichinho de estimação. Por mais “gato ou gata” que sejam, são pessoas e não animais domesticados. Sem ouvir o outro e sem respeitar o universo de um e de outro não há casamento que dure.

A palavra ‘desempenho’ virou moda. Cobram dos dois um bom desempenho sexual, o que é certo, mas deveriam cobrar também um bom desempenho afetivo, espiritual e social porque é disso que se vive 24 horas por dia. Não consigo escapar à impressão cada vez que ouço os entrevistados na televisão a falarem de seus amores, de que se baniu a palavra “espiritualidade” do relacionamento conjugal. E é uma pena, porque quando apenas os corpos se casam e as almas ficam em segundo plano, fica faltando o essencial. O casamento é mais do que um encontro de corpos. A impressão que fica é que muitos casais não sabiam disso quando assinaram aquele papel. Ao direito de dormir juntos corresponde o dever de sonhar e caminhar juntos. Dormir juntos é bem mais fácil do que pensar e caminhar juntos. Por isso há tantos divórcios e separações. Comeram demais as guloseimas e agora não engolem a refeição.

Pe. Zezinho, scj

Mensagem – DOGMAS? POR QUE NÃO? – Pe. Zezinho, scj

julho 10, 2008

DOGMAS? POR QUE NÃO?

Alguns católicos, mais mal informados do que mal intencionados encaram os dogmas e o dogmatismo da Igreja como algo terrivelmente negativo e atentatório à liberdade de expressão dos indivíduos.

Ora, ninguém é obrigado a ser católico.

Se quer ser, tem que aceitar um corpo de doutrinas como mínimo necessário para uma Igreja se proclamar Igreja.

Escolas, partidos, clubes, organizações não governamentais, e até times de várzea tem suas leis, suas regras e seus costumes intocáveis.

Não faz sentido querer jogar futebol sem um conjunto de regras.

Quem não aceita nenhuma regra não pode jogar futebol.

Quem não aceita a linha básica de pensamento de um partido, deve procurar outro partido, ao invés de pedir que ele não tenha idéias centrais.

A Igreja tem idéias centrais.

Ratifica-as como dogmas e delas não abre mão.

Quem quiser ser católico tem que aceitar determinados dogmas.

Se os negar, deixa o catolicismo.

Quem, por exemplo, negasse que Maria é mãe de Deus e que ela o concebeu na virgindade, estaria negando uma doutrina importante para a Igreja.

Quem, porém, duvida que ela tenha aparecido em Fátima ou Lourdes, não está fora do catolicismo.

As aparições de Fátima e Lourdes não são dogmas de fé.

São devoções que a Igreja aceita.

Sim, nós católicos temos muitos dogmas.

Menos mal que os temos.

Foram eles que nos mantiveram unidos na fé e na doutrina.

Uma fé, um Senhor e um batismo… Ef 4,5

Pe. Zezinho, scj

Mensagem – CATEQUESE DA LUZ – Pe. Zezinho, scj

julho 6, 2008

CATEQUESE DA LUZ

Jo 8,12

Eu sou a luz do mundo.

Quem me segue não anda em trevas, antes, terá a luz da vida

Gn1,3

E Deus disse: Aconteça a luz. E a luz aconteceu.

E Deus viu que a luz era uma coisa boa.

Mt 5,4
(more…)

Mensagem – CANÇÃO EM FÉ MAIOR – Pe. Zezinho, scj

julho 2, 2008

CANÇÃO EM FÉ MAIOR

Vou dizer com a maior clareza o que penso sobre música.

É a cobertura do bolo da vida.

O chantilly que o torna mais saboroso

mas é menos importante do que o bolo.

Por isso mesmo, eu nunca disse que minha vida é cantar.

Diga-se o mesmo da canção religiosa.

É a cobertura do bolo da fé.

Mas é menos importante que a Palavra de Deus.

Por isso, às vezes, eu, que fiquei conhecido

por minhas canções, gosto de celebrar sem cantar,

porque Bíblia e Cálice valem mais do que um violão.

Orar é indispensável, cantar não é.
(more…)

Mensagem – CATEQUESE DA ESPERANÇA – Pe. Zezinho, scj

julho 1, 2008

CATEQUESE DA ESPERANÇA

Rom 4,18
Contra toda a esperança Abraão esperou e acreditou. E tornou-se o pai de muitas nações.

Rom 8,24
Esperança que se vê não é esperança. Ninguém espera naquilo que já tem em mãos.

A igreja é o lugar da esperança. Deveria sê-lo. Afinal é disso que depende a uma religião. Espera em Deus e espera no homem. E se não esperasse nem mereceria existir. Religiões são o lugar da esperança. Todas elas.

Porque acreditamos em Deus, porque cremos no perdão, porque cremos no céu, porque cremos no futuro da humanidade, porque cremos que um dia o mundo terá paz, porque cremos na vitória do bem, porque cremos na luz no fim do túnel, porque cremos, esperamos.

Ninguém espera, se não confia e não crê. Esperamos em alguém quando o amamos e nele confiamos. Se não confiamos, nada esperamos dele. Confiar é entregar a fé nas mãos de alguém, cum-fides depositar fé neste alguém. Esperar é ter paciência, dar tempo ao tempo, dar uma chance à pessoa porque ela vai chegar lá. Só espera quem ama. Quem perde o amor se desespera. Quem não vê solução nem saída alguma, se desespera. A pessoa que tem esperança, porque tem fé, terá comportamento diferente, se presa num túnel. As outras entrarão em pânico. Ela não. Ela conta com alguém ou consigo mesma. Mesmo que isso não aconteça, terá mais força do que as outras porque permanecerá dona de si.

A parábola das duas rãs na barrica de leite elucidam a esperança. Caíram lá e uma tinha esperança, a outra não. Entrou em pânico, e abandonou-se à sua sorte. A outra esperneou a noite inteira e achou forças na certeza de que se salvaria. Pela manhã, de tanto espernear, tocou em algo sólido: salvou-se. De tanto se bater, transformara o leite em manteiga.

São admiráveis as pessoas esperançosas. É por causa delas que o mundo ainda respira. Tire a esperança de uma pessoa e ela não terá mais razão para viver.

Sem esperança de que consertarão a ponte não há porque prosseguir a viagem. A vida continua porque a esperança é a ultima que morre. E quando nada mais restar, ainda restará a esperança, escondida na última semente que ficou.

Na pequena semente pisada e esmagada escondem-se milhões de frutos. Só os veremos se a plantarmos. Plante uma esperança!

Pe. Zezinho, scj

Mensagem – A Ressurreição – Pe. Zezinho, scj

junho 30, 2008

A RESSURREIÇÃO: JESUS ESTÁ VIVO

Nós, católicos, junto com nossos irmãos evangélicos, cremos que Jesus morreu, mas voltou à vida.

Ele não está mais morto. Ergueu-se, ressuscitou de novo: ressuscitou!

Outras religiões também acreditaram na ressurreição de algum morto.

Nós fomos mais longe: cremos que Jesus é divino e por isso mesmo é que venceu a vida e a morte.

Deus o ressuscitou. Rm 4,24

Ele voltou à vida por suas forças que Deus lhe dera.

Desafiou seus inimigos a matá-lo que ele ressuscitaria. Jo 2,19

Paulo, o grande pensador e convertido cristão afirma sem hesitar:

Se Jesus não ressuscitou somos os maiores bobos do planeta.

Pregamos e cremos a toa. I Cor 15,17

Mas, se ressuscitou, então temos ao nosso lado, alguém que é mais forte do que a morte. Rm 6,9

Os cristãos, além de crer no Pai, no Filho e no Espirito Santo, acreditam que o Filho de Deus está vivo e vai voltar um dia.

Acreditamos ainda que Jesus teve poder sobre a morte ao ressuscitar várias pessoas e no final, ele mesmo ressuscitou.

Os que discordam de nós acham essa doutrina absurda!

Para eles é impossível admitir que alguém volte a viver.

Nós cremos que sim.

Mas diferente de outras religiões que apostam na reencarnação, nós cremos na volta ao próprio corpo: ressurreição é reviver no próprio corpo, reencarnação é renascer num outro corpo.

Jesus reviveu, não reencarnou!

É nisso que cremos.

É isso o que celebramos a cada Páscoa.

Aquele em quem acreditamos venceu a morte.

Se venceu a morte pode vencer qualquer coisa!

Cremos no poder de Jesus.

Ele está vivo. Nunca mais haverá cruz.

Vivemos de esperar que seu reino aconteça, demore o tempo que demorar.

Enquanto isso não acontece, a nosso modo lutamos para que a vida seja respeitada no planeta.

É a melhor maneira de celebrar aquele que venceu a morte!

Passe adiante a notícia: Jesus está vivo!

Pe. Zezinho, scj


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.